quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Halloween

video

No dia 30 de Outubro de 2008,realizou se o baile de halloween na escola de Santo António das Areias, com a participação de alguns alunos e também professores não esquecendo os alunos dos EFA desta escola.
Houve bruxas para todos os gostos desde as aprendizas ate às profissionais.
Mais discretos e ao natural apareceram os bruxos para animar a festa, são rabugentos mas são a nossa companhia.

O manto negro da lua caiu.

E vem a dama negra da noite

trazendo os seus mistérios.

Vampiros, loucos e lobos.

Bruxas fantasmas e monstros.

São os filhos da noite

que brotam da imaginação.

São os filhos do medo

brotando da escuridão.

É a noite e o pavor

que vão chegando juntos.

São os gritos de horror

que se espalham pelas ruas.

É a crença e a fantasia

que andam sempre juntas.

É o medo e a ilusão,

que podem ser verdade ou não

Alunas : Maria João - Esperança

sábado, 1 de novembro de 2008

video

Os alunos do curso efa turma2 agradecem a todos os seus formadores pela sua simpatia e dedicação e não esquecendo também todos os bons momentos que passamos todos juntos.
O nosso muito Obrigado

EFA TURMA2

sexta-feira, 6 de junho de 2008

video

Trabalho realizado por Serrano e Irmã Luiza

terça-feira, 1 de abril de 2008

Teste de Gastronomia

video

Aqui mostramos como decorreu o o teste de gastronomia que decorreu muito bem e os professores se comportaram a altura pois não descobriram as babulas ehehhehehehehehhhehehheheh

quinta-feira, 20 de março de 2008

segunda-feira, 3 de março de 2008

Associações/Colectividades

"Constrangimentos à construçãode dinâmicas associativas; formas de actuar criticamente face a esses obstáculos."

domingo, 2 de março de 2008

MARVÃO

video

Marvão é uma Vila Portuguesa no Distrito de Portalegre região Alentejo e subregião do Alto Alentejo, com cerca de 645 habitantes.
É sede de um
município com 154,85 km² de área e 4.029 habitantes (2001), subdividido em 4 freguesias. O município é limitado a norte e leste pela Espanha, a sul e oeste pelo município de Portalegre e a noroeste por Castelo de Vide.

O Castelo de Marvão ergue-se sobre uma crista quartzítica, na cota de 850 metros acima do nível do mar, encerrando em seus muros a vila medieval. Os seus muros, reforçados por torres, distribuem-se em linhas defensivas concêntricas:

Marvão deve o seu nome a Ibn Marwan al-Yil'liqui «O Galego» (morto c. 889), líder de um movimento sufista, no Al-Andaluz, que pegou em armas contra os emires de Córdova e criou uma espécie de reino independente sediado em Badajoz até à instauração do califado de Córdov em 931.

Pouco se sabe quanto à primitiva ocupação humana de seu sítio, possivelmente um castro pré-histórico. À época da Invasão romana da Península Ibérica, alguns autores defendem ser esta a povoação romanizada que os Lusitanos denominavam como Medobriga, que, objecto de disputa entre as forças de Pompeu e de Júlio César, foi conquistada por tropas deste último sob o comando do propretor Caio Longino, em meados do século I. O interesse pela povoação derivava principalmente por ser vizinha à estrada romana que ligava Cáceres a Santarém, na altura da ponte que cruzava o rio Sever (Ponte da Portagem).
Embora não hajam maiores informações acerca do período das invasões de
Suevos, Visigodos e Muçulmanos, entre 876 e 877 aí se instalou Ibn Marwan, sendo o local conhecido já no século X como Amaia de Ibn Marwan ou Fortaleza de Amaia.

No contexto da conquista de Alcácer do Sal, D. Afonso Henriques (1112-1185) terá tomado a povoação aos mouros entre 1160 e 1166. Quando da demarcação do termo de Castelo Branco (1214), Marvão já se incluía em terras portuguesas. D. Sancho II (1223-1248) concedeu-lhe Carta de Foral (1226), visando manter esta sentinela avançada do território povoada e defendida diante das repetidas incursões oriundas de Castela à época.

Quando da Restauração da independência portuguesa, no contexto da guerra que se seguiu, as defesas de Marvão foram remodeladas, adaptadas aos avanços da artilharia da época. A primeira fase dessas obras desenvolveu-se entre 1640 e 1662 quando o abade D. João Dama empreendeu a reconstrução de um troço da muralha e barbacãs que se encontravam em ruínas, providenciou reparo nas portas do castelo e outros consertos necessários à conservação e defesa da vila. Ainda em obras, sofreu assalto por forças espanholas (1641 e 1648), batendo-se activamente com a praça vizinha de Valencia de Alcántara, até à conquista desta pelas forças de D. António Luís de Meneses (1644. Um relato de Nicolau de Langres, à época, informa que a guarnição de infantaria e de cavalaria portuguesa nesta fortificação eram oriundos de Castelo de Vide, contando Marvão com cerca de 400 habitantes

No século XIX, abrindo-se a Guerra Peninsular, foi ocupada por tropas francesas, libertando-se em 1808. Posteriormente, quando das Guerras Liberais, no episódio conhecido como Guerra da Patuleia, foi ocupada pelas forças liberais (12 de Dezembro de 1833), vindo a sofrer o assédio das tropas miguelistas no ano seguinte (1834).

O castelo encontra-se classificado como Monumento Nacional, por Decreto publicado em 4 de Julho de 1922. A intervenção do poder público, por iniciativa da Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN), iniciou-se em 1938, na forma de reparações, renovações, reconstruções, desinfestações, limpeza e pintura, repetindo-se até aos nossos dias. Desde então, com o apoio da Liga dos Amigos do Castelo de Marvão e da Câmara Municipal, este património vem sendo mantido em bom estado de conservação. Ao visitante são oferecidas visitas guiadas ao núcleo arqueológico de armaria nas dependências do castelo


Inscrito em região de grande diversidade natural, onde se encontra uma grande variedade de espécies raras e ameaçadas, o castelo foi conhecido como Ninho de Águias, devido a essa espécie que outrora nidificava no seu topo.
À época da
Inquisição, assim como Castelo de Vide, Marvão foi utilizada como um lugar de refúgio pelos judeus espanhóis, os chamados sefarditas.